Indicação aprovada na Câmara propõe jogos em libras e em braille na rede de educação pública e privada em Petrópolis

O vereador Marcelo da Silveira (MDB) conseguiu aprovar três Indicações Legislativas na sessão ordinária realizada em ambiente virtual, na terça-feira (16.06), na Câmara Municipal de Petrópolis. Entre elas, a Indicação nº 4446/2019, que sugere ao Poder Executivo o envio de Projeto de Lei que disponha sobre a aquisição de jogos em Libras e Braile para o ambiente educacional das redes pública e privada de ensino em Petrópolis. Segundo o parlamentar, é de a primordial importância a utilização desses recursos didáticos para despertar o interesse dos alunos, tornando as aulas divertidas e desafiadoras.

“É por meio do brincar que a criança desenvolve o emocional, o psíquico e o cognitivo. Sistemas como o Braille e a Língua Brasileira de Sinais (Libras) foram criados para colaborar no processo de comunicação das pessoas com deficiência, uma vez que a garantia de acesso, participação e aprendizagem deve servir para a construção de práticas de enriquecimento das diferenças, e não de mitigação dos saberes”, explica o vereador.

Além dessa, foram aprovadas também a Indicações nº 4774/2019, que encaminha pela fixação de cartazes informativos, nas redes saúde pública e privada, esclarecendo aos pais de crianças nascidas com microcefalia sobre o direito ao recebimento do benefício de prestação continuada (LOAS); e a Indicação nº 4779/2019, que indica a investigação ao exame genético que detecta a trombofilia e ao respectivo tratamento da doença.

A trombofilia é um nome genérico para um quadro variado de disfunções que provocam aumento da coagulação sanguínea e possível formação de coágulos (trombos), que podem entupir os vasos de sangue do corpo. No anteprojeto, encaminhado em anexo ao governo, Silveira destaca que “toda mulher usuária da rede de saúde pública do município terá direito à investigação, ao exame que detecta a trombofilia e ao respectivo tratamento no caso de histórico familiar de pessoas com trombose ou trombofilia”.

A investigação deverá começar na primeira consulta com o obstetra ou ginecologista e deverá permitir ao profissional conhecer o histórico familiar da paciente, particularmente investigação em relação a parentes de primeiro grau com trombose ou gravidez com complicações e outros fatores hereditários.

Fonte:http://www.cmp.rj.gov.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *