Ensino de Libras pode ser obrigatório na formação de profissionais do magistério

A Língua Brasileira de Sinais é utilizada para a comunicação dos deficientes auditivos

Nesta segunda-feira (22/6), a Comissão de Educação e Cultura (CEC) analisou 22 itens e aprovou o Projeto de Lei 591/2019, de autoria da deputada Leticia Aguiar (PSL), que torna obrigatório o ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras) na formação dos profissionais do magistério.

A presidente da comissão, deputada professora Bebel (PT), acredita que a medida chama a atenção para a necessidade de os profissionais da área conhecerem a linguagem. Para ela, esta é uma política de inclusão social: “Os professores também têm que ter formação em libras para poder conversar com outros alunos que, caso contrário, ficam excluídos na sala de aula”.

Projeto de Lei 621/2019 criado por Paulo Fiorilo (PT) para autorizar o Executivo a incluir peixe no cardápio dos alunos da rede pública estadual também foi aprovado pela comissão.

Sobre o tema, o deputado Carlos Giannazi (PSOL) considera importante gerar debates que pressionem a introdução de alimentos saudáveis e nutritivos nas escolas. “Nós temos que aperfeiçoar cada vez mais a oferta da merenda escolar, existem outras propostas na Assembleia Legislativa, é função dos parlamentares apresentar proposições neste sentido”, afirmou.

Também participaram da reunião em ambiente virtual as deputadas e os deputados Carlão Pignatari, Daniel José, Dirceu Dalben, Gilmaci Santos, Leci Brandão, Roberto Engler e Valéria Bolsonaro.

Fonte: https://www.al.sp.gov.br/noticia/?22/06/2020/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *